Skip to content

Parte 1: Explorando padrões e princípios para as novas gerações de soluções SOA.

fevereiro 4, 2010

Este post é um resumo do artigo “Exploring Patterns and Principles of a New Generation of SOA Solutions” da 22a. edição da revista “The Architecture Journal”. O artigo original discute sobre desafios das tradicionais arquiteturas orientadas à serviço e explora alguns padrões e princípios para as novas gerações de arquiteturas orientadas à serviço, SOA.

SOA: Arquitetura sem Restrições

SOA tem sido o cerne dos sistemas distribuídos nos últimos anos, prometendo agilidade na implementação de serviços de negócio através de interfaces de negócio. É muito comum encontrar um conjunto de características semelhantes entre os tradicionais sistemas em SOA, sendo elas:

  • A adotação do SOAP e WSDL como padrão para especificar o contrato, ou interface, dos serviços.
  • O uso dos protocolos WS-* para pertimir algumas características de missão crítica aos serviços.
  • O uso de um ESB central abstraindo diferentes orquestrações de serviço.
  • O uso de um servidor de integração para gerenciar complexos processos de negócio, BPM.
  • O uso de ferramentas de governança em SOA para gerenciar toda arquitetura de serviços.

Figura 1: O modelo ideal SOA

A arquitetura apresentada na Figura 1 pode ser considerada ideal pra sistemas SOA, mas esta arquitetura não leva em consideração as retrições que os sistemas SOA impõem à arquitetura, como interoperabilidade, performance e escalabilidade. A arquitetura apresentada na Figura 1 leva em consideração abstrair a complexidade de implementação dos sistemas SOA utilizando mais padrões e ferramentas.

Ultimamente se ouve muito o mantra Conveção ou invés de Configuração, que remove opções de configuração, ou parâmetros, que aumentam a complexidade do sistema por convenções previamente adotadas. Utilize as opções de configuração somente quando for realmente necessário.

SOAP: A ilusão de uma abstração da camada de transporte

Inicialmente o SOAP foi desenvolvido para abstrair os serviços das diferentes camadas de transporte, ou protocolos. Embora na teoria se mostre uma boa idéia, na prática constatamos que abstrair os serviços da camada de transporte exige um custo significativo de complexidade. Um exemplo da complexidade desta abstração é trafegar SOAP sobre HTTP, que hoje em dia é frequente. Por quê não usar o HTTP somente?

WSDL: Em abundância

O WSDL tem como propósito descrever os características dos serviços e as mensagens trocadas. Conceitualmente, o WSDL representa uma evolução para do antigo IDL. Ao utilizar o WSDL como padrão para especificar os serviços, esse se torna um artefato vital para as aplicações clientes. Essa relação entre o provedor de serviços e o cliente tende a ter um acoplamento alto, sendo que se houver uma alteração no contrato dos serviços o(s) cliente(s) serão afetados. Pensando em um ambiente pequeno que envolve poucos clientes consumindo alguns serviços não é preocupante, mas em um ambiente empresarial e complexo o alto acoplamento entre o cliente e o provedor de serviços é um problema a se considerar.

Figura 2: Auto acoplamento com WSDL, o grande desafio de sistemas SOA de grande porte

ESB: Ter ESB ou não ter ESB

A integração heterogênea de sistemas, LOB, tem sido uma grande promessa dos sistemas empresarias SOA. Para pôr em prática essa integração entre diferentes sistemas heterogêneos foi determinado um conjunto de padrões que constituem o ESB. Ainda que não exista um padrão industrial que defina o que é um ESB, podemos adotar algumas características comuns entre os ESBs existentes no mercado. Atualmente o ESB é usado como um barramento central de serviços, como mostrado na Figura 3:

Figura 3: ESB centralizado

Pode parecer uma boa estratégia arquitetural utilizar o ESB de forma centralizada, mas na prática esse tipo de arquitetura apresenta sérias limitações nos aspectos de gerenciamento, performance e escalabilidade. Ao inves do ESB se tornar um facilitador ele pode se tornar um gargalo em sistemas SOA.

Protocolos WS-*: O lado negro

Os protocolos WS-* criados para complementar características de segurança, confiabilidade e transacionabilidade ao SOAP/WSDL não receberam muita adoção em ambientes heterogêneos. Um dos motivos da não adoção dos protocolos WS-* está nas centenas de diferentes versões de protocolos WS-* existentes, isso cria desconfiança e descredibilidade na tecnologia. A interoperabilidade é o maior desafio das soluções baseadas em protocolos WS-*, como diferentes ferramentas de Web Services as vezes implementam diferentes protocolos WS-* teremos então diferentes versões dos mesmos protolos e mesmo diferentes aspectos da mesma especificação.

Figura 4: O desafio da interoperabilidade

Governança em SOA: Ditatura em SOA

Em sistemas SOA de médio e grande porte existe a necessidade de versionar, monitorar e gerenciar os serviços de negócio e esse papel é realizado pelas ferramentas de governança em SOA. O maior desafio dessas ferramentas de governança é permitir de maneira confiável o gerenciamento de complexos serviços de negócio, por este motivo as tecnologias de governança em SOA tem crescido muito nos últimos tempos. As tecnologias de governança estão adotando uma arquitetura que virtualiza os serviços de negócio em um ambiente centralizado de governança. Embora, essa arquitetura possa ser aplicada em sistemas SOA de pequeno porte, ela apresenta sérias limitações em termos de iteroperabilidade, performance e escalabilidade em ambientes de sistemas SOA de grande porte, como mostrado na Figura 5:

Figura 5: Modelo centralizado de governança SOA

Conclusão

Nesta primeira parte do artigo foi explorado as arquiteturas SOA adotadas comumente nos dias de hoje. Na abstração da camada de transporte dos serviços de negócio foi mostrada a adoção do protocolo SOAP utilizando a especificação WSDL para manter um contrato, ou interface, dos serviços de negócio disponíveis que acarreta em uma sobrecarga de protocolos e um aumento muito significativo do acoplamento entre o provedor de serviços de negócio e os clientes cosumidores destes serviços.

Também foi mostrada a arquitetura centralizada do ESB que apresenta limitações em termos de gerenciamento, performance e escalabilidade. As diversas implementações dos protocolos WS-* que são utilizadas de forma não padronizada criando desconfiança e descredibilidade da tecnologia. Como a arquitetura centralizada do ESB foi mostrada a arquitetura que virtualiza os serviços de negócio em um ambiente centralizado de governança SOA que apresenta limitações de interoperabilidade, performance e escalabilidade.

Na segunda parte deste artigo será discutido arquiteturas e tecnologias que visão melhorar alguns aspectos negativos mostrados nessa primeira parte do artigo. Até lá ;).

Anúncios

From → Arquitetura

Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: